Boas práticas de gestão de resíduos da construção civil e volumosos facilitam o dia a dia dos moradores de Itaúna

Em Noticias, RCCV

Sabe aquele sofá velho que você não sabe o que fazer? Ou aquele guarda-roupa antigo que não tem mais serventia? Em Itaúna a prefeitura disponibiliza um serviço de recolhimento destes e outros materiais volumosos. O número com telefone é divulgado para a população que pode ligar e agendar o recolhimento do material. “Ao longo da semana recebemos as ligações e o recolhimento é realizado as quartas e sábados. O que pode ser reaproveitado encaminhamos para uma entidade beneficente, o que não dá para reaproveitar vai para o aterro”, explica o gerente de resíduos sólidos do Serviço Autônomo de Água e Esgosto (SAAE), Sérgio Fernandes da Cunha. De acordo com dados da SAAE, até fevereiro deste ano, foram recolhidos 270 objetos entre móveis, utensílios domésticos, entre outros volumosos. Esses dados são registrados para posterior mapeamento (feito semestralmente), para que o local/região de maior incidência de descarte irregular seja atendido com campanhas de conscientização.

Outro destaque na gestão dos Resíduos de Construção Civil e Volumosos (RCCV) é o trabalho de monitoramento realizado pelos funcionários da SAAE. “Temos um número de celular com uma conta de whatsapp e toda vez que um funcionário identifica algum ponto de bota-fora na cidade, ele fotografa e manda a localização da área. Esses dados são processados por uma equipe interna e o local entra na rota do serviço de recolhimento da prefeitura”, explica Cunha. Segundo os dados levantados pela SAAE, foram recolhidas cerca de 330 toneladas de resíduos neste ano.

 Além dos volumosos, também será iniciado até o final deste mês, o recolhimento de resíduos da construção civil selecionados. “Os fiscais da SAAE irão identificar e notificar os cidadãos que dispõem resíduos de construção civil em locais públicos, tais como areia, tijolos, britas, etc. O cidadão terá o prazo de 72 horas para recolher o resíduo, caso isso não ocorra, a prefeitura irá realizar o recolhimento do material de forma selecionada, ou seja, haverá uma coleta diferenciada, com o objetivo de não misturar os resíduos, que posteriormente serão utilizados nas obras do antigo aterro controlado do município, que está em fase de encerramento, ou ainda, em obras da prefeitura”.

 Essas medidas, associadas a um trabalho permanente de educação ambiental, contribuem para a eliminação dos famosos bota-fora irregulares, que são áreas propícias para o criatório do mosquito da dengue, que atualmente é um dos principais problemas de saúde pública. “O mais importante é o exercício de cidadania que é provocado nas pessoas. Fazemos um trabalho de educação ambiental diário, sensibilizando a população sobre a importância e os benefícios da destinação adequada dos RCCV. Além da cidade ficar mais limpa, estamos contribuindo para a solução de um problema de saúde pública, que é combater o foco do mosquito aedes aegypti”.

Pontos de Entrega Voluntária (PEVs)

Em consonância com Plano Metropolitano de Resíduos, o município de Itaúna está planejando a instalação de Pontos de Entrega Voluntária – PEVs. “Participei dos workshops na fase de elaboração do Plano e vi que os PEVs eram uma das infraestruturas propostas para a gestão de RCCV nos municípios. A partir de então tivemos a ideia de utilizar o mapeamento que realizamos para verificar se existe algum terreno da prefeitura próximo à área que hoje é utilizada como bota-fora irregular. O objetivo é compreender a rota que as pessoas fazem para descartar os RCCV e tentar instalar os PEVs nesta rota, pois a localização é um fator relevante para que as pessoas utilizem ou não os PEVs”, conclui o gerente.

Coleta de utensilios inutilizaveis

Folder utilizado pela prefeitura para sensibilização da população

Deixe o seu comentário