Belo Horizonte ganha usina fotovoltaica em escola da região norte

O projeto possibilitará a observação da eficácia do sistema para que as ações de eficiência energética e energias renováveis sejam aplicadas em outras escolas

Na manhã desta terça-feira (7/12), foi inaugurada a primeira usina fotovoltaica do projeto Urban-LEDS – Escolas Solares, financiado pela Comunidade Europeia e implementado pelo ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade, em parceria com a ONU-Habitat. A iniciativa, que contemplou a capital mineira em meio a vários outros municípios do mundo, tem como objetivo promover eficiência energética, geração de energia limpa, renovável e sustentável, além da mitigação na emissão de gases do Efeito Estufa. 

A Escola Municipal Herbert José de Souza foi escolhida para o projeto piloto em razão da sua localização – uma região de vulnerabilidade climática –, para que os resultados técnicos fossem acompanhados sob as óticas mais completas. O projeto possibilitará a observação da eficácia do sistema para que as ações de eficiência energética e energias renováveis sejam aplicadas em outras escolas. Desta forma, a Escola Municipal recebeu a primeira instalação para desenvolver um caso demonstrativo detalhado que possibilite a posterior replicação das ações de eficiência energética  e de energias renováveis em outras unidades. 

A energia que for gerada com a instalação será abatida no consumo da unidade, beneficiando os mais de 1 mil alunos entre ensino infantil, fundamental e Educação de Jovens e Adultos que frequentam diariamente a escola. 

Além da instalação na Escola Municipal Herbert José de Souza, também foi realizada a entrega do Centro Educativo em Sustentabilidade no Centro de Línguas, Linguagens, Inovação e Criatividade (CLIC), localizado na  Secretaria Municipal de Educação, à Prefeitura de Belo Horizonte. 

A nova usina fotovoltaica faz parte do compromisso público assumido pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente, no intuito de reduzir em até 20% as emissões de gases de efeito estufa até o ano de 2030. “Este é o início de um projeto que vai transformar Belo Horizonte em uma cidade referência em consumo de energia em edifícios públicos. Isso é totalmente viável e economicamente espetacular porque, além da energia ser limpa, estamos desenvolvendo novas tecnologias”, explicou o secretário municipal de Meio Ambiente, Mário Werneck.

O evento contou ainda com a presença de representantes do Governo Municipal; do secretário Executivo do ICLEI América do Sul, Rodrigo Perpétuo; da vereadora Duda Salabert, da diretora-geral da Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Belo Horizonte, Mila Corrêa da Costa; e da coordenadora do projeto COMpasso – UFMG, Eleonora Asad Assis. 

Junto às crianças da escola, foi realizado um voo de drone que captou imagens em tempo real das placas de energia solar, e plantadas 32 mudas de espécies nativas de Mata Atlântica. Esta última, parte de uma iniciativa da vereadora Duda Salabert em parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente. 

Sobre o LEDS Lab 

Lançado em 2019, o LEDS Lab é um laboratório de financiamento de projetos climáticos para aprimorar a capacidade instalada nas prefeituras na elaboração de projetos financiáveis de mitigação e adaptação à mudança do clima. A partir da iniciativa, foram desenvolvidos projetos-piloto e idealizados Centros Educativos de Energias Renováveis e Mudança do Clima. Ao longo de 2021, iniciou-se a fase de implementação dos projetos e desenho dos Centros Educativos. 

O LEDS Lab é um dos componentes do Urban-LEDS II: Acelerando a Ação Climática por meio da Promoção de Estratégias de Desenvolvimento Urbano de Baixas Emissões, iniciativa focada em tornar as estratégias de desenvolvimento de baixa emissão uma parte fundamental da política e planejamento urbano nas cidades. Financiado pela Comissão Europeia e implementado pelo ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade em parceria com a ONU-Habitat, o Urban-LEDS II contou com investimento de 8 milhões de euros para apoio de cerca de 60 cidades ao redor do mundo, na condução de suas estratégias climáticas alinhadas ao Acordo de Paris. 

Na América do Sul, dois países fazem parte do Urba-LEDS II: Brasil e Colômbia. No Brasil, junto de Belo Horizonte, foram contempladas pela iniciativa as cidades de Betim, Curitiba, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro e Sorocaba. Na Colômbia, os governos locais são Cartago, Envigado (Área Metropolitana do Vale do Aburrá), Ibagué, Manizales, Santiago de Cali, Tópaga e Valledupar.

Fonte: ASCOM PBH

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *